​Troféu Vitis 2016 – XXIV Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2016

A entrega do Troféu Vitis, que desde 1993 homenageia figuras que dedicam seu tempo, conhecimento e talento para a promoção e valorização do vinho brasileiro.
Troféu Vitis Amigo do Vinho 2016 foi entregue ao italiano Roberto Rabachino, um dos grandes nomes mundiais do setor vitivinícola, que dedicou seu troféu a todos os pequenos produtores brasileiros. Doutor em Ciências da Alimentação, jornalista enogastronômico e professor universitário no Brasil, China e Itália, é autor de mais de 22 livros e já formou mais de 1.500 sommeliers internacionais no Brasil.

Troféu Vitis Destaque Enológico 2016 foi entregue ao enólogo Antonio Agostinho Czarnobay. Primeiro a conquistar o título de Enólogo do Ano, em 2004, Czarnobay é bioquímico formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com especialização em Tecnologia de Alimentos (produção e controle) e atua como jurado em importantes concursos internacionais, como Vinalies, Vinitaly, Seléctions Mondiales, Vinagora e Mondial de Bruxelles. Ele foi o primeiro não europeu a integrar a União Internacional de Enólogos.

Anúncios

Abreu Garcia: Novo site tem loja virtual e edição bilíngue!

Em 2016, a Abreu Garcia comemora 10 anos de existência. Data especial para lançar novos projetos. Um deles entrou no ar, o novo site.

Desenvolvido por uma equipe de especialistas, o site apresenta um design moderno, rico conteúdo e tem fácil navegação, permitindo que o cliente possa facilmente encontrar aquilo que precisa e entrar em contato com a gente. Está ligado nas novidades da Internet. Por isso, é interativo e permite a busca fácil no universo on-line.

A grande novidade do novo site é a Loja Virtual, onde o público poderá escolher o produto e fazer a compra sem precisar sair de casa.

O novo site traz um diferencial: é bilíngue, português/inglês, permitindo a quem domina o idioma do Tio Sam também conhecer nossa vinícola.

Mantido em conjunto com essa fanpage pela Assessoria de Comunicação, o site está no endereço http://www.abreugarcia.com.br e mostra fotografias e textos, além de tabelas e serviços de loja. 

A nova versão eletrônica é um presente aos apreciadores dos vinhos Abreu Garcia – e um agradecimento pela preferência pelos nossos produtos. Afinal, você é a principal razão da Abreu Garcia procurar superar-se sempre e buscar, a cada dia, fazer uma vinícola melhor.

Avaliação Nacional de Vinhos 2016 – CREDENCIAMENTO IMPRENSA

A Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2016 – maior degustação de vinhos de uma safra do mundo – será realizada dia 24 de setembro de 2016, das 8h às 16h30min (ver programação abaixo), no Pavilhão E do Parque de Eventos de Bento Gonçalves. Para participar do
evento é necessário fazer credenciamento prévio, enviando os dados solicitados abaixo para o e-mail
conceitocom@conceitocom.com.br.

 

Nome do jornalista

 

Veículo de comunicação

 

E-mail

 

Telefone

 

 

Obs.:

1.      As vagas para imprensa são limitadas. Até o dia 16 de setembro a confirmação do credenciamento será enviada para o e-mail informado acima.

 

2.  Haverá transfer para a imprensa da Grande Porto Alegre.

 

PROGRAMAÇÃO

08h –
Credenciamento

09h –
Abertura

09h30min –
Degustação / Comentários

11h –
Intervalo

11h30min –
Entrega de Troféus Vitis

12h –
Degustação / Comentários

13h –
Prova de Espumantes

13h30min –
Almoço

16h30min –
Encerramento

Chargista Zé Dassilva expõe obras na Vinícola Villa Francioni

O artista Zé Dassilva, participa pela primeira vez de uma exposição com trabalhos autorais em Santa Catarina. O cenário escolhido é a Galeria de Arte da vinícola Villa Francioni em São Joaquim, na serra catarinense. A abertura da exposição acontece no dia 27 de agosto a partir das 14 horas. Zé Dassilva é natural de Criciúma, no sul do estado e ao longo da carreira tem se destacado como chargista do Diário Catarinense e roteirista da TV Globo. O talento do catarinense poderá ser conferido através de seu traço, em momentos captados durante  viagens mundo afora. A exposição “Por onde andei”, apresenta na forma de “cadernos de viagem”, impressões do cartunista em momentos de observação, com obras em destaque nos EUA, Europa, Santa Catarina e no Rio de Janeiro, onde mora há 16 anos. “O ponto de partida são desenhos de observação, não só das paisagens e das cidades, mas também das pessoas. Não é só o visual que varia de lugar para lugar, e sim o elemento humano; por isso, o morador deve ser captado com destaque nesse tipo de trabalho”, explica o artista.

Além das 15 telas expostas, Zé Dassilva vai apresentar uma série de três aquarelas feitas sob encomenda pela TV Globo. Exibidas no intervalo dos jogos, essas artes viraram vinhetas com locução de Galvão Bueno, anunciando a cobertura das Olimpíadas.

Os trabalhos expostos poderão ser adquiridos, além de livros autorais. A exposição acontece até 20 de outubro.

A Galeria de Arte da Villa Francioni, desde sua fundação em 2005,  já recebeu nomes de expressão internacional, como os franceses, Auguste Rodin e Camille Claudel, além de artistas catarinenses: Juarez Machado, Vera Sabino, Martinho de Haro, Meyer Filho, Pléticos, Rodrigo de Haro, Suely Beduschi, Rodrigo Cunha e Luciano Martins, entre outros. O espaço dedicado à arte, foi idealizado pelo fundador da Villa Francioni, já falecido, o criciumense Dilor Freitas.

EXPOSIÇÃO POR ONDE ANDEi
Zé Dassilva
Coquetel Abertura
Data: 27 de Agosto
Horário: 14 horas
Local: Galeria de Arte da Villa Francioni
Entrada Gratuita
villafrancioni.com.br

francioni_exposicao-1

Privillege Brut Rosé: uma (re)descoberta degustada na taça

Extrovertido e ao mesmo tempo sofisticado, o Privillege Peterlongo Brut Rosé é o espumante mais premiado da Vinícola Peterlongo nos últimos anos. A qualidade do produto, elaborado a partir da variedade vinífera Pinot Noir cultivada em Encruzilhada do Sul, na Serra do Sudeste Gaúcho, vem sendo reconhecida por experts do mundo todo, por meio de medalhas de Ouro e Prata conquistadas em concursos de vinhos.

Elaborado pelo método charmat, com controle diário de temperatura e pressão, o espumante caiu no gosto do consumidor, sendo um dos destaques da vinícola, responsável por elaborar o primeiro espumante brasileiro e a partir daí dar início a história da bebida no país. Centenária, a vinícola é reconhecida por sua tradição na arte de elaborar champagnes e espumantes, status que reposiciona a marca a partir de um amplo trabalho que vem sendo colocado em prática na busca pela qualidade total.

Investimentos em tecnologia, desde o vinhedo até o maquinário, na qualificação e atualização de profissionais e, principalmente, no próprio produto comprovam na taça a aceitação do público consumidor com o aval de especialistas do mundo do vinho. “Estamos no início de um processo de qualificação que não tem prazo para encerrar. Os primeiros resultados já aparecem na aprovação do consumidor. A busca é constante e envolve cada detalhe, desde a uva até o rótulo, para que o espumante chegue ao ponto de venda surpreendendo cada apreciador”, destaca a enóloga Deise Tempass.

O Espumante

Equilibrado, cremoso e com acidez marcante, o espumante apresenta excelente frescor com retrogosto frutado e intenso. Seus aromas exalam frutas vermelhas como morango, cassis e amora, destacando boa intensidade e leve toque tostado. No visual, limpidez e coloração levemente rosada de boa vivacidade. Perlage fino, intenso e persistente. O Privillege Peterlongo Brut Rosé tem 11,5% de graduação alcoólica e 6,7 g/L de acidez total. O valor do espumante no varejo da vinícola é de R$ 37,75. Na compra de uma caixa o valor unitário fica em R$ 32,10.

Privillege

FONTE: CONCEITOCOM Brasil

 

Pinot Noir da Vinícola Suzin é o melhor do Brasil!

Neste mês de Agosto foram divulgados os vinhos campeões da 5ª edição Grande Prova Vinhos do Brasil (GPVB). Entre participantes da prova realizada no Rio de Janeiro, estiveram mais de 850 amostras, de 110 vinícolas nacionais, de oito estados brasileiros. Os resultados serão divulgados pelo Anuário Vinhos do Brasil 2016/2017. Neste ano foram 28 categorias, com  30 campeões (ocorreram três empates). Seguindo normas da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), o número de medalhas foi limitado a 30%. No total, foram cinco medalhas de duplo-ouro, 160 medalhas de ouro e 90 medalhas de prata. Espumante Brut Champenoise e Tinto Super Premium foram as categorias com mais medalhas de ouro, com 31 e 37, respectivamente.

Na categoria Pinot Noir, o grande campeão foi o elaborado pela Vinícola Suzin, de São Joaquim! Além dessa premiação, o Cabernet Sauvignon/2011 da Suzin recebeu medalha de Ouro.

Pinot Noir Suzin – De coloração Rubi de média intensidade, com alguns reflexos violáceos. Apresenta uma qualidade aromática diferenciada, muito elegante, destacando as notas de framboesa, morango, mirtilo, além da baunilha e especiarias. Acidez muito bem equilibrada e taninos redondos e elegantes na boca.

Essas duas premiações consolidam a Vinícola Suzin como referencia na elaboração de vinhos finos da mais alta qualidade.

PINOT-NOIR-2014-500x350

 

 

O vinho Madeira

Dizem que o vinho que os antepassados dos norte-americanos beberam para brindar a assinatura da Declaração da Independência foi o Madeira. Durante o século XVIII, as colônias norte-americanas importavam um quarto de toda a produção do Madeira e nenhum outro vinho tinha tanto prestígio.

O vinho Madeira vem de uma pequena ilha escarpada e vulcânica, a Ilha da Madeira. O clima subtropical da ilha é atípico para o cultivo das videiras, mas na Ilha da Madeira tudo é único, inclusive a maneira de produzir o vinho.

O Madeira é um vinho fortificado, com 17 a 20% de álcool, que de início não era fortificado. No final do século XVI, o Madeira não fortificado fazia parte das mercadorias levadas pelos navios mercantes que se dirigiam a África, Índia, e mais tarde à América do Sul. Com os solavancos, o calor e o abafamento, o vinho não fortificado estragava rapidamente.

No final do século XVII, passou-se a acrescentar aguardente ao vinho para estabilizá-lo e conservá-lo. O Madeira fortificado passou a ser uma história totalmente diferentes. Amadurecido durante longos meses ao balanço do navio e ao calor equatorial, esse Madeira tornou-se um vinho deliciosamente rico. A propósito, os Madeiras mais admirados eram todos chamados de “vinhos torna-viagem”, ou seja, que tinham feito a viagem de ida e volta.

Para preparar o Madeira, acrescenta-se aguardente de uva neutra antes que o vinho complete a fermentação. Isso neutraliza a levedura, detém a fermentação e produz um vinho fortificado que poder um pequeno toque de doçura.

O caráter de tofe e caramelo do Madeira aparecem como resultado do aquecimento do vinho, um processo chamado de estufagem. Há vários métodos, dependendo da qualidade do Madeira a ser produzido. O mais básico envolve a colocação dos vinhos-base fortificados em recipientes, que por sua vez serão aquecidos a uma temperatura média de 40ºC durante três a seis meses.

Contudo para os melhores Madeira, os recipientes são colocados no sótão dos armazéns, que sofrem um tremendo calor graças a intensidade do sol na Ilha da Madeira. Ali esses recipientes permanecem sem serem perturbados, em geral, por anos e anos.

A maioria dos Madeira de qualidade básica é elaborada com a versátil uva tinta negra mole. No entanto, os melhores Madeira são feitos de uma das quatro uvas brancas designadas como nobres pelo Instituto de Vinho da Madeira, que são: sercial, verdelho, bual e malvasia. Esses nomes também são usados para designar os vários estilos do vinho Madeira.

Uma garrafa de vinho Madeira após aberta pode durar um bom tempo. Depois de tudo que ele passou: fortificação, calor extremo, longo envelhecimento na presença de oxigênio fazem do Madeira um vinho praticamente indestrutível.