ABS-RS abre inscrições para a 11ª turma do seu Curso Profissional de Sommelier

Que tal mergulhar nos fundamentos do vinho em um curso que oferece aulas dentro de vinícolas e que proporciona experiências além do próprio ensino? Essa é a proposta do Curso Profissional de Sommelier promovido pela secção gaúcha da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS-RS) e que está com inscrições abertas para a 11ª turma. Com aulas ministradas pelos mais experientes profissionais do ramo no Brasil, o curso traz um abrangente conhecimento sobre o mundo de Baco. Além disso, o diploma, emitido em parceria com a ABS-SP, conta com a chancela da ASI (Association de la Sommellerie Internationale), sendo válido em todo o território nacional.

Ao todo, os participantes terão que passar por sete módulos (112 horas),  com início em 4 de outubro e término em maio de 2020. Serão sempre três aulas por mês (sextas à noite, sábados e domingos), que acontecem em tradicionais vinícolas gaúchas, sendo o último módulo ministrado no Spa do Vinho. Nas aulas, serão repassados os mais importantes conhecimentos, passando por noções básicas de vinificação e produção de vinhos, harmonizações, vitivinicultura, serviços dos vinhos, além de estratégias de consumo e de comunicação com os clientes.

Além disso, os alunos terão a oportunidade de participar da programação nas vinícolas parceiras, proporcionando uma experiência única entre conhecimento e prática. “Será uma oportunidade exclusiva, com professores renomados e um conteúdo abrangente, de mergulhar no mundo do vinho e fazer disso uma profissão”, observa o presidente da ABS-RS, Orestes de Andrade Jr.

O sommelier
O sommelier é o responsável pela escolha, compra, recebimento, guarda e prova do vinho antes que o mesmo seja servido ao cliente. A profissão foi regulamentada no Brasil através da Lei 12.467, de 26 de agosto de 2011, reconhecendo a importância desse profissionalno setor de alimentos e bebidas.

Programação:

 Módulo 1: 4 a 6 outubro – Vinícola Aurora (Bento Gonçalves)

Módulo 2:  8 a 10 novembro (vinícola da Serra Gaúcha)

Módulo 3: 6 a 8 de dezembro – Vinícola Viapina (Flores da Cunha)

Módulo 4: 14 a 16 de fevereiro de 2020 – Vinícola Miolo (Bento Gonçalves)

Módulo 5: 13 a 15 de março de 2020 – Vinícola Salton (Bento Gonçalves)

Módulo 6:  24 a 26 de abril de 2020 (vinícola da Serra Gaúcha)

Módulo 7:  15 a 17 maio de 2020 (vinícola da Serra Gaúcha)

Inscrições:

Associado: R$ 5.740,00 (à vista ou parcela em 10X no cartão de crédito)

Pelo link http://pag.ae/7V9d69Er4

Não Associado R$5.980,00 (parcelado em 10X no cartão de crédito)

Pelo link http://pag.ae/7V9d7cCw4

 

Taís Dihl
.DOC Assessoria de Comunicação

Anúncios

120 enólogos entram em ação dia 27 para avaliar a safra 2019

As 338 amostras de vinhos de oito regiões produtoras brasileiras inscritas na 27ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2019 foram coletadas e codificadas. Algumas chegaram a percorrer 3 mil quilômetros até chegar ao seu destino. Agora é hora de avaliar. Durante oito dias – de 27 de agosto a 5 de setembro – 120 enólogos brasileiros degustarão os vinhos às cegas no Laboratório de Análise Sensorial da Embrapa Uva e Vinho, que faz a coordenação técnica do evento.

Esta é a fase mais criteriosa da maior degustação de vinhos de uma safra do mundo, como é reconhecido o evento. Serão 24 horas de degustação às cegas. Para que todas as amostras sejam degustadas nestes oito dias, exceto sábado e domingo, os enólogos foram divididos em oito grupos com 15 profissionais cada. A cada dois dias, dois grupos de enólogos entram em ação. A degustação de seleção é fechada e segue normas internacionais.

O presidente da ABE, enólogo Daniel Salvador, explica que o envolvimento e a interação dos enólogos  durante a degustação de seleção é determinante para o sucesso do evento, único no mundo. “Ao degustar cada amostra colocamos em prática todo nosso conhecimento e sensibilidade. Trocamos percepções, compartilhamos impressões, sempre com o objetivo de compreender cada terroir, cada vinho. E este é um dos papéis da Avaliação, que segue promovendo a qualidade do vinho brasileiro, seus potenciais e tendências”, afirma.

A avaliação é individual e registrada em um sistema desenvolvido especialmente para a Avaliação. O resultado desta degustação de seleção somente será anunciado no dia 28 de setembro, no Pavilhão E do Parque de Eventos de Bento Gonçalves, quando cerca de 1.000 apreciadores conhecerão a relação dos 30% mais representativos em cada uma das cinco categorias (brancos finos secos não aromáticos, brancos finos secos aromáticos, tintos finos secos, tintos finos secos jovens e vinho base para espumante).

Neste grande dia, o público degustará simultaneamente com um corpo de comentaristas as 16 amostras selecionadas entre os 30%, provando na taça a representatividade da Safra 2019. As inscrições para os apreciadores abrem somente no dia 4 de setembro, a partir das 9h, pelo site www.enologia.org.br.

Único no gênero do mundo, o evento carrega a força do vinho brasileiro, sua evolução e DNA. Muito além de marcas, expõe o desempenho de cada safra, a variedade e performance de cada casta, sendo um termômetro para as vinícolas, tanto no que diz respeito a tendências quanto a investimentos. Além disso, também é um ponto de encontro, de confraternização e celebração.

O EVENTO

O que? 27ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2019

Número de amostras: 338 amostras

Vinícolas: 47

Regiões e estados: Vale do São Francisco (BA), Sul de Minas (MG), Leste de São Paulo (SP), Planalto Catarinense (SC) e no RS a Serra Gaúcha, Campanha, Serra do Sudeste e Campos de Cima da Serra.

Etapas: inscrições de amostras pelas vinícolas (junho), coleta das amostras (julho e agosto), Degustação de Seleção (27 de agosto a 5 de setembro)

Data do evento final? 28 de setembro de 2019

Inscrições para apreciadores: a partir das 9h do dia 4 de setembro pelo site www.enologia.org.br

Promoção: Associação Brasileira de Enologia – ABE

Fonte: Conceito com Brasil

 

Um vinho para chamar de seu

Fazer o próprio vinho pode parecer uma tarefa fácil, mas somente quem participa de cada etapa do processo de elaboração é que compreende que este universo é mais complexo do que se imagina. Neste final de semana, a Vinícola Miolo, no Vale dos Vinhedos, recebeu 21 apreciadores inquietos e com sede de conhecimento. Eles formam o sexto grupo de Vinho Tinto do Winemaker Miolo, experiência única na América Latina que já formou 113 ‘enólogos amadores’ em 10 anos. A agenda foi intensa, mas foi a Poda Seca que marcou o início desta jornada que só acaba em 2021, quando as 60 garrafas do vinho com Denominação de Origem Vale dos Vinhedos (DOVV) chegarão às mãos de cada criador.

De sexta a domingo, eles cumpriram uma programação exclusiva, especialmente pensada para transformar cada momento numa memória inesquecível. No SPA do Vinho Hotel & Condomínio Vitivinícola, onde ficaram hospedados, foram acolhidos com um jantar harmonizado de boas-vindas. De lá, do topo do vale, já podiam avistar do outro lado da estrada, o Lote 43, vinhedo onde a história da família Miolo começou ainda em 1897, quando Giuseppe Miolo chegou da Itália e plantou seu primeiro vinhedo e de onde hoje são cultivadas as uvas que originam o ícone Miolo Lote 43 com DOVV, e onde iriam fazer a poda seca na manhã do sábado.

Depois de compreender a importância de uma poda bem feita e sua relação com o cultivo das uvas, eles confraternizaram ao ar livre num almoço com costelão no fogo de chão, aos moldes do tradicional churrasco gaúcho. A tarde foi dedicada a mais estudos com troca de informações e degustações. Sempre acompanhados pelo diretor superintendente da Miolo, Adriano Miolo, e por uma equipe de técnicos, os futuros Winemakers penetraram na rotina da vinícola, conhecendo todos os setores da empresa e aprendendo cada particularidade da cultura do vinho.

Gosto pelo vinho em comum

Entre os participantes, representantes dos estados da Bahia, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo, além de Brasília (DF). Com profissões totalmente distintas e tendo em comum o gosto pelo vinho, eles também compartilham do interesse de viver a experiência para poder compreender melhor esse mundo tão particular e cheio de descobertas.

“A experiência de ser um Winemaker Miolo me tornou mais humilde frente ao vinho. Só quem vive pode compreender melhor cada vinho que degusta e, assim, reconhecer todo trabalho que está por trás”, relata o médico Álvaro Réa, de Curitiba, que pela terceira vez participa do projeto, desta vez junto com o filho Ricardo e o genro Rafael. Sua primeira incursão foi em 2013, também no módulo de Vinho Tinto, e depois em 2015 com o de Espumantes. “Eu e meu filho queríamos investir no setor, na Serra Paranaense. O Winemaker Miolo nos mostrou que é muito complicado. Hoje sabemos que este não é um assunto para nós, mas seguimos apaixonados pelo vinho”, comenta Réa. Ele também destaca a importância e o cuidado que a Miolo dá a todo processo e a este projeto. “O acolhimento feito pelo próprio CEO da empresa é um tratamento que cabe nossa admiração”.

O baiano Miguel Calmon, que visitou o Vale dos Vinhedos pela primeira vez em 2007, começou a ter mais interesse pelo mundo do vinho em 2012, quando esteve em Mendoza, na Argentina, com seu pai. Lá, adquiriram um acre (40% de um hectare) e passaram a cultivar uvas. O vinho tornou a relação dos dois muito mais próxima e forte. Agrônomo com atuação na conservação da natureza, Calmon agora se dedica a um projeto na Chapada Diamantina, onde junto com o pai cultiva uva em dois hectares. “Adoro a cultura do vinho, mas é preciso conhecer para compreender e é isso que busco ao participar do Winemaker Miolo”, ressalta. “A energia daqui é incrível. São profissionais que pensam em cada detalhe. Fazem tudo com excelência e simplicidade”.

De Brasília, o casal Karina e Rubens Silveira, também pensam em ter seu próprio vinho. Ela advogada e ele juiz, ambos adoram vinho e como dizem: “mantemos uma relação alimentada também por vinho”. Há 22 anos, quando começaram a namorar, passaram a colecionar rolhas. Cabe à Karina escrever a data e o local de cada celebração. Agora, eles pensam em investir na produção de vinhos como projeto futuro, pós-carreira. “Em abril, visitamos a Miolo e ao pesquisar sobre o que a vinícola tem a oferecer ficamos sabendo do Winemaker e logo nos interessamos”, disse Silveira.

Próximos encontros

O Winemaker Miolo contempla quatro encontros presenciais. Sendo assim, o grupo voltará a se encontrar de 8 a 10 de novembro, quando farão a Poda Verde na estação em que os vinhedos florescem. O segundo encontro do grupo será de 27 de fevereiro a 1º de março de 2020, momento de emoção com a colheita a uva. Depois, de 5 a 7 de junho do próximo ano, eles se reencontram para definir o corte do vinho, além da cerimônia de formatura. O gran finale vai acontecer um ano adiante, depois de o vinho permanecer em barricas de carvalho francês e ser engarrafado até chegar às mãos do seu criador.

Mas além destes encontros, o projeto contempla, ainda, outras quatro etapas que são: Criação dos rótulos (julho a outubro de 2020), Produção dos rótulos (novembro 2020), Engarrafamento e Rotulagem (janeiro e fevereiro de 2021) e Entrega dos Vinhos (abril e maio de 2021).

 Informações e inscrições para próximas turmas podem ser feitas pelo e-mail winemakers@miolo.com.br ou pelos telefones (54) 2102.1500 e 9 8133.0032, com Thaís Somensi.

Fonte: Conceito com Brasil

Álvaro Réa Neto (E) e família - Paraná

Espumante Ice é a novidade da Cooperativa Vinícola Garibaldi na Expoagas 2019

Fãs de espumantes acabam de ganhar uma nova forma de apreciar a tão saborosa bebida borbulhante: na Expoagas 2019 (maior feira supermercadista em todo o Cone Sul, que ocorre de 20 a 22 de agosto, em Porto Alegre), a Cooperativa Vinícola Garibaldi lança sua linha Ice. O primeiro rótulo que chega ao mercado é o Espumante Garibaldi Ice na variedade Prosecco.

Seu consumo é simples e descomplicado: algumas pedrinhas de gelo no copo e o produto está pronto para beber, trazendo todo seu frescor e leveza. A opção é ideal, também, para compor drinks refrescantes – nas mais ousadas combinações que a criatividade sugerir.

Por essas características, o Espumante Garibaldi Ice combina com momentos descontraídos: é uma ótima pedida para curtir na beira da praia ou piscina, bem como para aqueles que não abrem mão da sofisticação no happy hour ou na balada.

Propriedades especiais para beber com gelo. Diferentemente dos espumantes convencionais, o Ice é uma bebida de acidez mais elevada, de perfil aromático intenso e maior concentração de açúcar. O Espumante Garibaldi Ice é elaborado utilizando um maior percentual de uva Prosecco, porém com uma mescla de vinho Moscato. Essa fórmula permite combinar o frescor do Prosecco à intensidade aromática e doçura do Moscato.
Sua elaboração ocorre pelo Método Charmat. O residual de açúcar da categoria Demi-sec é preservado para agregar frescor e intensidade à bebida final mesmo depois da adição de gelo ou mistura com outros ingredientes nos drinks. A graduação alcoólica é a habitual para um Espumante Demi-sec – porém, como o consumo recomendado prevê a adição de gelo, esse percentual tende a se diluir, proporcionando mais leveza à mistura final.
O Espumante Garibaldi Ice está disponível em garrafas de 750 ml e chega ao mercado gaúcho com preço médio de R$ 33,00. Nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, a partir de R$ 39,00.

Novos consumidores estão na mira

O lançamento do Espumante Garibaldi Ice vem para conquistar espaço junto a um novo perfil de consumidores: a geração dos Millenials, aqueles entre 23 e 36 anos. Sua proposta descomplicada busca estabelecer uma conexão entre a bebida e as situações do dia a dia – festas, celebrações, encontros com amigos, combinando com situações espontâneas, rompendo os protocolos de consumo.

Evidenciando a aposta da Cooperativa Vinícola Garibaldi de consolidar cada vez mais os espumantes como carro-chefe do portfólio, a linha Ice é um dos movimentos que a marca aplica para manter a curva ascendente no desempenho comercial. A venda de espumantes da marca cresceu em torno de 50% no primeiro semestre de 2019, no comparativo com o mesmo período do ano passado, e a expectativa é de que continue em expansão. Até o fim de 2019, a Cooperativa Vinícola Garibaldi deve produzir cerca de 18 milhões de litros, entre espumantes, sucos e vinhos, volume 20% maior que a produção registrada no ano anterior. Neste ano, os espumantes responderão por 20% do volume e 38% do faturamento da marca.

Sobre a Cooperativa Vinícola Garibaldi

A história da Cooperativa Vinícola Garibaldi começou a ser escrita em 1931, pela união de diversas famílias de agricultores como alternativa para vencer as dificuldades econômicas do país na época. Atualmente, são 400 famílias associadas, localizadas em 15 municípios da Serra gaúcha. Seu portfólio tem 70 produtos distribuídos em 12 marcas, entre espumantes, vinhos tintos e brancos, linhas de exportação, frisantes, filtrados, sucos de uva e opções orgânicas e biodinâmicas.

Vale dos Vinhedos atinge 255 mil visitantes no primeiro semestre de 2019

Os dados levantados pela Aprovale – Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos, mostram um aumento de 23% em relação ao mesmo período de 2018.

Somente no mês de julho, considerado de alta temporada de turismo, o roteiro atingiu 62 mil visitantes, número inédito se comparado ao mesmo período de anos anteriores. Julho de 2019 superou em 25% o mesmo período de 2018. Até então o mês de julho mais movimentado no Vale dos Vinhedos foi o de 2016, quando a rota atingiu 60 mil visitantes.

Leia matéria completa no blog do Vale dos Vinhedos: https://valedosvinhedos.wordpress.com/2019/08/19/vale-dos-vinhedos-atinge-255-mil-visitantes-no-primeiro-semestre-de-2019/

Nota de Degustação: Conti Tutto

Esse belíssimo vinho, é um corte de Sangiovese e Montepulciano, de São Joaquim/SC.

Essas duas variedades estão muito bem adaptadas a essa região, e resultam em grandes vinhos.

Este possui coloração Rubi intensa, límpido. De muita intensidade aromática, é muito frutado e elegante, com notas de amora, morango, cereja e ameixa. Em boca é estruturado e macio! Taninos maduros e harmônicoa. Retrogosto destacam-se as notas frutadas, em especial cereja, ameixa, amora com nuances de cacau.