Iniciam os trabalhos da 11ª edição da Revista Brasileira de Viticultura e Enologia


A Revista Brasileira de Viticultura e Enologia, única publicação técnico-científica do setor no Brasil, publicou 125 artigos inéditos em 10 edições. Os trabalhos versam sobre Enologia, Viticultura, Enoturismo e Gestão. A 11ª edição, que será apresentada durante a Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2019, no dia 28 de setembro, já está sendo organizada. Interessados em participar com seus trabalhos devem enviá-los até o dia 5 de abril pelo e-mailrevista@enologia.org.br. As normas de publicação estão disponíveis no sitewww.enologia.org.br.

O projeto foi lançado em 2008 pela Associação Brasileira de Enologia (ABE) com o propósito de promover a aproximação de seus associados de estudos recentes capazes de auxiliar na atualização dos profissionais ligados à cadeia produtiva da uva e do vinho. Preenchendo uma lacuna existente no meio, a contribuição da publicação para o setor é inegável. O presidente da ABE, enólogo Daniel Salvador, que acaba de assumir a entidade para o biênio 2019-2020, tem o compromisso de não apenas dar continuidade à proposta como também impulsionar a ideia, atraindo novos olhares. “A qualificação dos enólogos sempre será nossa prioridade, aproximando os profissionais de experiências em torno do universo do vinho”, destaca.

A revista tornou-se fonte de pesquisa, passando a ser referência entre os profissionais, graças a qualidade de artigos muito bem elaborados e que trazem conteúdos relevantes para a prática do enólogo.Atendendo a demandas de conhecimento, os temas trazem novas visões em torno de assuntos atuais, priorizando o ineditismo. Com periodicidade anual e tiragem de 2,5 mil exemplares, a revista é distribuída entre o público da Avaliação Nacional de Vinhos e associados da ABE. Universidades, escolas e associações de enólogos de outros países, bem como institutos de pesquisa e demais instituições de ensino, também recebem a revista.

A Revista Brasileira de Viticultura e Enologia é orientada pelo editor-chefe Dr. Alberto Miele. O PDF das edições anteriores pode ser acessado no site www.enologia.org.br.

Comissão organizadora

Edegar Scortegagna, Alberto Miele, André Peres Jr., Christian Bernardi, Cláudia Stefenon, Dario Crespi, Juliano Perin, Luciano Vian, Samuel Cervi.

Comitê editorial

Dr. Alberto Miele (Editor-Chefe), Dr. Carlos Eugênio Daudt, Dra. Cláudia A. Stefenon, Dr. Celito Crivellaro Guerra, Dr. Eduardo Giovannini, Dr. Erasmo José Paioli Pires, Dr. Jean Pierre Rosier, Dr. Luciano Manfroi, Dr. Maurilo Monteiro Terra, Dra. Regina Vanderlinde, Dr. Sérgio Ruffo Roberto e Dr. Vitor Manfroi

Anúncios

Nota de degustação: Panceri Sauvignon Blanc 2017

Não é nenhuma novidade aqui do blog falar bem dos vinhos elaborados pela Vinícola Panceri, de Tangará, Meio Oeste Catarinense.

O Sauvignon Blanc apresenta uma coloração amarelo palha, de média intensidade, brilhante e límpido. De boa qualidade aromática, destacam-se as notas cítricas, maçã verde e um leve abacaxi. Em boca é fresco, jovial, com acidez presente. Retrogosto predominam as notas frutadas, em especial o cítrico e a maçã verde.

Recomendamos!

20181003_142553

 

Spa do Vinho abre Festa da Colheita neste sábado

Que tal festejar a nova safra em meio aos parreirais, cantando e dançando como nas antigas colheitas dos imigrantes italianos? Essa é uma das atrações da Festa da Colheita promovida pelo Spa do Vinho, que abre neste sábado (dia 26), a partir das 16h30min, para um público de 30 pessoas. A experiência única em meio aos vinhedos do condomínio vitivinícola, localizado em Bento Gonçalves, envolverá ainda colheita da e pisa das uvas, além de jantar típico ao som de um coral com músicas típicas italianas.

O verão é alta temporada no Vale dos Vinhedos por ser a época da colheita da uva, atividade que entusiasma turistas em busca de uma experiência lúdica e autêntica. “Os parreirais estão em seu esplendor e as uvas ficam deliciosas de tão doces, é a época mais festiva do ano para vinicultores e visitantes, quando a colheita é feita e podemos avaliar a nova safra. E a Festa da Colheita é a celebração desse momento”, descreve Deborah Villas-Bôas Dadalt, sócia-diretora do Spa do Vinho.

A programação segue durante todo o mês de fevereiro. Informações e reservas devem ser feitas através do telefone (54) 2102-7200 ou do e-mailreservas@spadovinho.com.br.

SONY DSC

Taís Dihl

.DOC Assessoria de Comunicação

Exportações da Vinícola Aurora crescem 91% em 2018

A Vinícola Aurora contabiliza 91% de aumento no volume de exportações em 2018: foram 596.244 garrafas contra as 311.866 exportadas em 2017. O crescimento mais expressivose deu nas vendas externas do cooler, com 135.696 garrafas vendidas, um aumento de 324% em relação ao ano anterior. Os vinhos não espumantes ocupam o segundo lugar nas exportações da vinícola no ano passado, totalizando 253.774 garrafas (um crescimento de
109% sobre 2017) e os espumantes, 137.612 garrafas (47% a mais que no ano anterior). “Foi um ano decisivo para as exportações da Vinícola Aurora, com ações em países estratégicos que nos conduziram a grandes resultados”, avalia Rosana Pasini, gerente de Exportação
e Importação, acenando um crescimento das vendas externas em 2019 da ordem de 20%.

No ano passado, a Aurora conquistou dois novos países importadores – Irlanda e Peru – e novos clientes em países já compradores: em Taiwan, nos Estados Unidos e no Paraguai.
Mas o foco se manteve na Ásia, em especial na China, importador da vinícola há três anos. “Apresentamos nossos produtos a mais de 50 importadores naquele país durante o ano”, afirma Rosana, destacando resultados impressionantes também no Japão, seu tradicional
comprador, que dobrou as importações nos últimos dois anos. No continente asiático a empresa participou de grandes feiras nesses dois países: Chegdu CFDF – China Food and Drinks Fair (março), Shangai – Prowine Shangai (novembro), Qingdao – Qingdao International
Wine Exposition (novembro), Foodex Japan (março) e Sparkling New World Event, na embaixada do Brasil em Tóquio (novembro). E manteve presença na Prowein Dusseldorf, na Alemanha, uma das maiores feiras do mundo.

Produtos e mercados

A Aurora iniciou, em 2018, exportações do seu suco de uva Casa de Bento para dois mercados nos quais já estava presente com seus vinhos: Estados Unidos (para um importante
distribuidor de produtos brasileiros que atende toda a costa leste do país) e Taiwan (para um segundo importador).

No Peru, a vinícola iniciou vendas de suas linhas de vinhos, espumantes e coolers no final do ano e já tem grandes redes interessadas em seus produtos. O começo das vendas
para a Irlanda já se mostra promissor: a vinícola trabalha com o maior importador de vinhos daquele país, com distribuição da Linha Brazilian Soul Premium Selection.

Para 2019, a Aurora projeta um crescimento de 20% nas exportações, aumento da participação dos sucos de uva nas suas vendas externas e a conquista de 4 importantes novos mercados
em sua pauta: Colômbia, Chile, Portugal e Rússia.

Cooperativa Vinícola Aurora
Visite o site:

Visite o site:
www.vinicolaaurora.com.br

SAC: 0800 701 4555

Matriz Bento Gonçalves (RS): (54) 3455-2000

Filial São Paulo: (11) 3051-6124

Escritórios e representantes em todo o território nacional

Cooperativa Garibaldi apresenta o primeiro espumante biodinâmico do Brasil

A Cooperativa Vinícola Garibaldi apresentou oficialmente na noite de ontem durante um evento que reuniu imprensa e convidados na sede da cooperativa a primeira linha de espumantes e sucos biodinâmicos do Brasil com certificação internacional. Batizada de ‘Astral’, os produtos chegam ao mercado com lote de espumantes numerados (são apenas 700 garrafas para quem quiser conhecer a novidade – elaborado com as uvas Chardonnay e Pinot Noir). Ambos são produzidos a partir de técnicas que respeitam o equilíbrio entre a natureza, o homem e o universo. O lançamento incrementa o portfólio de produtos da Cooperativa, que já tem opções orgânicas, além das bebidas produzidas pelos métodos tradicionais.

A agricultura biodinâmica foi desenvolvida a partir dos preceitos de Rudolf Steiner, em 1924, na região da atual Polônia. Ele utilizava a antroposofia para considerar a relação do homem com a natureza e buscar a prosperidade da agricultura – entendendo que, além da substância nutritiva, o alimento também oferece a vitalidade nele presente. “Para entender essa composição, é importante saber que os produtos biodinâmicos são obrigatoriamente orgânicos, sendo ainda mais restritivos quanto ao uso de agrotóxicos e insumos agrícolas. O grande diferencial está na busca pela harmonia entre os reinos humano, animal, vegetal e mineral, potencializada pela influência dos astros. Assim, os cuidados começam nos vinhedos, respeitando o ambiente; passando pelo zelo com as videiras e chegando ao processo de vinificação, resultando em bebidas com mais vitalidade”, explica a engenheira agrônoma Lara Silvestrin.

O trabalho com a agricultura biodinâmica exige forte conexão com a essência desse método e seus princípios. Para isso, é necessário viver os processos naturais mediante a prática, a observação e a percepção. Dessa forma, o agricultor preserva sua saúde, o meio ambiente e as relações pessoais – resultado comprovado pela produtora Rosângela Bettú Lazzari, de Garibaldi, uma das três fornecedoras das uvas biodinâmicas utilizadas pela Cooperativa na produção dos espumantes e sucos da linha Astral. “Em 2008, comecei a converter a propriedade para a produção orgânica. Aos poucos, participando de cursos e treinamentos, fui me interessando pela produção biodinâmica, que desenvolvo desde 2016. É exigido um trabalho mais rigoroso, com mais mão de obra e até custo um pouco acima, mas compensa por se estar em um ambiente agradável, saudável e que oferece uma produção uniforme, com uvas de aromas e sabores acentuados”, comenta. Atualmente, Rosângela fornece cerca de 20 toneladas de uvas Bordô, Isabel e Chardonnay à Cooperativa.

Certificação reconhecida internacionalmente

A linha Astral da Cooperativa Vinícola Garibaldi chega ao mercado enriquecida por outro diferencial importante. É a primeira série de espumantes e sucos biodinâmicos no país certificada por uma auditoria. No Brasil, a certificação por auditoria de alimentos e produtos biodinâmicos é realizada pela empresa IBD Certificações. Já a certificação participativa de alimentos e produtos biodinâmicos, atualmente, é feita pela ABD – Associação Biodinâmica. Em todo o mundo, os alimentos biodinâmicos certificados apresentam o selo Demeter, que, assim como as Normas de Produção e Processamento, é gerido pela Associação Demeter Internacional – modelo de cooperação mundial baseado em responsabilidade, transparência e autonomia regional.

Onde encontrar

A primeira produção de espumantes es sucos de uva ‘Astral’ serão vendidos no varejo anexo ao complexo enoturístico da Cooperativa Vinícola Garibaldi (avenida Independência, 845, em Garibaldi, RS). Os sucos chegam ao mercado com preço médio de R$ 18 e também poderão ser encontrados em pontos de venda que já oferecem os sucos orgânicos da marca. Já os espumantes, limitados a 700 garrafas numeradas, serão comercializados também em alguns canais virtuais e estabelecimentos gastronômicos parceiros, ligados à proposta slow food. O preço é de R$ 70 por garrafa.

Fonte: https://www.portalbonvivant.com.br/single-post/2019/01/23/Cooperativa-Garibaldi-apresenta-o-primeiro-espumante-biodinâmico-do-Brasil

Cientistas criam papelão de resíduo de vinho

Pesquisadores do Centro Universitário de Biotecnologia do Chile (CBUdeC) conseguiram criar papel e papelão a partir de resíduos de vinho. O produto final do projeto, que foi financiado pela FONDEF VidPaper, procurou criar uma alternativa de uso para as mais de 400 mil toneladas de resíduos do bagaço das uvas.

“O Chile produz anualmente 1.300 milhões de litros de vinho por ano, que geram cerca de 400.000 toneladas de resíduos lignocelulósicos que não são utilizados, são descartados”, diz o Dr. Juan Pedro Elissetche, pesquisador associado do CBUdeC. “Buscamos agregar valor a esses resíduos junto à nossa equipe de pesquisadores, através da produção de fibras de celulose para produção de papel e papelão, que podem ser utilizados como embalagens biodegradáveis para exportação de vinhos”, acrescenta Elissetche.

De acordo com os criadores deste papel inovador, vários estudos têm mostrado que a utilização de hastes e ramos tem várias desvantagens comparado com a compostagem, uso comum que é dado a estes resíduos, devido à sua maior composição, o que dá caráter recalcitrante e de difícil degradação, algo favorável ao objetivo de obtenção de fibras. Eles explicam que essa tecnologia um enorme potencial para uso com misturas de fibras, apontando para embalagem premium com bioproduto sustentável.

“Queríamos cobrir as necessidades do mercado em termos de sustentabilidade, tendências, reciclagem e requisitos de saúde”, diz a Dra. Carolina Puentes, também pesquisadora do CBUdeC. “Atualmente, 42% deste lixo é usado como composto, enquanto o restante é armazenado em grandes recipientes”, completa.

Fonte: https://www.agrolink.com.br/noticias/cientistas-criam-papelao-de-residuo-de-vinho_415252.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_content=noticia