Vinícola Salvador: uma Vinícola para se apreciar

Buscando reconhecer seus anos de dedicação ao ramo da uva e do vinho, é que o Enólogo Antonio Salvador, juntamente com sua família, edifica seu projeto: a Vinícola Salvador.

Estabelecida em um pavilhão histórico no município de Flores da Cunha, na Serra Gaúcha, faz da natureza o segredo dos complexos vinhos elaborados, dentro de um ambiente arquitetônico cultural minuciosamente restaurado.

Um espaço único, inimaginável, fomentado por uma história vivida pela própria família, onde o vinho é a essência de todos.

UMA LONGA TRADIÇÃO FAMILIAR

Descendente de italianos vindos da região de Belluno, norte da Itália, a Família Salvador chegou ao Brasil por volta do ano 1882 e instalou-se em pequenas colônias no município de Nova Pádua / RS. A elaboração de vinhos sempre esteve ligada diretamente com a família, onde cultivava vinhas e elaboravam vinhos apenas para o consumo próprio.

No ano de 1969, o filho da segunda geração no Brasil, Sr. Antonio Salvador, inicia seus estudos no Colégio de Viticultura e Enologia, em Bento Gonçalves. Este é o ponto de partida da história da família no ramo da vitivinicultura.

O “Seu Salvador” como é conhecido hoje entre amigos e turistas, iniciou sua carreira muito jovem, assistiu tecnicamente inúmeras vinícolas do Brasil todo e foi um dos fundadores da Associação Brasileira de Enologia. Mas seu maior sonho sempre foi ter a própria vinícola.

E o sonho tomou forma no ano de 1998 quando da aquisição de um dos prédios mais antigos do município de Flores da Cunha. Ao lado de sua esposa Nádia M Araldi Salvador, e dos filhos Marina e Daniel, deu início à uma saga que duraria quase 10 anos. O prédio centenário localizado no coração da cidade, ao poucos retomou sua imponente forma física pela restauração, realçou sua beleza pela ambientação e ganhou “sangue novo” com a adaptação para elaboração de vinhos de elevada qualidade.

http://www.vinicolasalvador.com.br

Vinícola Fazenda Santa Rita: Nos Detalhes, a Excelência.

Em uma busca incessante pela excelência, a Vinícola Fazenda Santa Rita, do Empresário Agamenon Lemos de Almeida, coleciona em sua história momentos onde esta sua busca influenciou em decisões estratégicas da organização.

Muito antes do começo das atividades da Vinícola, um planejamento sério e profundo de viabilidade e posicionamento foi desenvolvido. As premissas para sua realização seriam: qualidade sobre quantidade; e excelência sobre apelo mercadológico.

Com esses valores fortes em mente, todas as escolhas referentes ao sistema de trabalho, materiais de produção, formações de equipes, parcerias, consultorias etc., tudo, simplesmente tudo o que é buscado pela Vinícola Fazenda Rita, tem como prioridade manter o alto padrão escolhido, a fim de respeitar o posicionamento escolhido para a marca.

O Primeiro Prêmio

A primeira safra de vinhos da Vinícola foi prova marcante de sua excelência, o Vinho Tinto Fino Seco Merlot Fazenda Santa Rita, Safra 2012 recebeu Medalha de Ouro no 7º Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, consolidado como o maior da América Latina e um dos mais reconhecidos do mundo.

Para muitos, sorte de principiante, mas não para as pessoas envolvidas no dia a dia da vinícola.

Os vinhedos foram projetados com tamanha excelência e são mantidos com tanto zelo, que são constantemente elogiados por todos os profissionais agrônomos que a ele têm acesso. Chegando muitas vezes a ser citado por estes, como o melhor e mais moderno vinhedo em atividade na região.

Tanta dedicação tem sido recompensada não apenas pelas premiações de seus vinhos e espumantes, mas também, pelo respeito dos mais exigentes e reconhecidos críticos e enólogos do segmento.

Há ainda, outro fato que é pouco citado publicamente: as uvas do vinhedo da Fazenda Santa Rita já ajudaram diversos outros vinhos de outras vinícolas, a ganharem prêmios e reconhecimento.

A produção de uvas da Vinícola Fazenda Santa Rita possui ainda um grande excedente sobre a quantidade que é vinificada. Por isto, outras grandes e renomadas marcas de vinhos do mercado nacional, parceiras da Fazenda Santa Rita, adquirem estas uvas para produzirem vinhos, também de altíssimo nível.

Depois deste prêmio, vários outros vieram, como você pode conferir aqui mesmo no blog da Vinícola.

Qualidade sobre Quantidade

A vinificação de quantidades controladas, supervisionadas e operadas por alguns dos profissionais mais reconhecidos nacional e internacionalmente em suas atividades, permitem a Vinícola Fazenda Santa Rita atingir com o máximo de controle, o nível mais alto de qualidade possível. Essa é uma das principais afirmações de sua escolha pela excelência.

Claro que, o aumento da quantidade da produção de vinhos é outra etapa do seu rigoroso planejamento, mas isto acontecerá de forma gradual, em datas futuras já previstas, e se a direção da Vinícola entender que em tal momento, exista estrutura, controle e mercado, para que se mantenha a excelência de todas as etapas de sua cadeia produtiva.

 Excelência sobre Apelo Mercadológico

Por que não vender mais? Todos os dias as empresas do Brasil e do mundo lutam por maior faturamento. Não é a toa que o tempo de vida útil dos produtos comuns tem diminuído, junto com a qualidade e desempenho dos mesmos.

Porém, existem ainda no mercado marcas reconhecidas mundialmente por sua excelência.

Assim como estas, a Vinícola Fazenda Santa Rita não constrói seu portfolio em comparação a outros produtos do mercado. Longe disso, a sua rotina diária está centrada em superar todos os dias os seus próprios limites, levando a seus consumidores a possibilidade de uma experiência única, a cada garrafa, a cada brinde.

Não que não exista preocupação com a área comercial, claro que há! Mas a proposta da Vinícola está em levar para o mercado um produto que se posicione na mente dos consumidores, como uma opção diferenciada para escolha.

Não existe a pretensão de ser sua primeira escolha de vinho de consumo por seu preço, por sua imagem ou por seu apelo publicitário. Também não existe a pretensão de elitizar o seu consumo ou limitá-lo a prática de cerimônias culturais, como rituais de sabedoria.

Ao contrário disso, o desejo da Vinícola Fazenda Santa Rita é de que você se premie com a escolha de um de seus vinhos, sempre que quiser proporcionar uma experiência diferenciada para seu grupo de amigos, familiares ou seu par.

A Vinícola Fazenda Santa Rita faz questão que você se permita ser exigente, escolhendo o melhor ao invés do mais popular, ou do mais acessível.

Aproveite os melhores momentos de sua vida consumindo produtos de qualidade, vivenciando momentos marcantes e experiências satisfatórias sempre que possível, a cada vitória, a cada conquista e até mesmo nos momentos mais rotineiros, como num happy hour, almoço ou jantar.

Por isso tudo, afirmamos que a Vinícola Fazenda Santa Rita não vende vinhos, mas sim, proporciona momentos de alta satisfação aos seus clientes.

Vinícola Fazenda Santa Rita
Nos detalhes, a excelência!

vinhedos-santa-rita

 

O renascimento da uva Carmenère no Chile

A Carménère pertence à grande linhagem Cabernet, dentro da qual podemos encontrar suas meias-irmãs Cabernet Sauvignon e Merlot, e seu pai Cabernet Franc. No século XVIII, a Cabernet Franc era a variedade mais popular da França, e no século XIX se tornou a variedade mais reconhecida e prestigiosa de Médoc.

Os vinhedos franceses, no século da famosa classificação de Bordeaux de 1855, foram seguidamente atingidos por enfermidades provenientes da América. A mais devastadora foi a filoxera, que se abateu sobre os vinhedos franceses em 1865, mas que já fora precedida pelo oídio em 1850, e foi seguida pelo míldio em 1885.

Com a filoxera houve praticamente um extermínio da área vitícola europeia. A uva Carménère originalmente da região de Médoc, na França, foi uma das mais afetadas e seu difícil replantio fez com que os produtores desistissem da variedade.

Com o replantio dos vinhedos atingidos pelas pragas, foi dada preferência a variedades com produção mais consistentes e mais precoces – aquelas cujo amadurecimento se dá mais cedo -, e assim ganha espaço e importância a Merlot, em detrimento da Carménère.

A partir daí o mundo acreditava que esta uva havia sido extinta, mas foi precisamente no dia 24 de Novembro de 1994 que especialistas descobriram que esta uva estava viva e saudável. Levado por engano ao Chile, a Carménère se adaptou bem ao clima e solo chileno, tornando-se posteriormente a uva emblemática do Chile.

A uva foi redescoberta em meio a plantações de uva Merlot nas propriedades da Viña Carmen, a mais antiga e tradicional do Chile, fundada em 1850. O feito coube ao ampelógrafo francês Jean-Michel Boursiquot que, fazendo uso da engenharia genética decidiu investigar porque algumas cepas maturavam tardiamente nos vinhedos chilenos de Merlot. Os resultados de estudos realizados, concluíram que se tratava na realizada da antiga variedade francesa, cultivada por engano como se fosse a variedade Merlot. A partir daí a Carménère tornou-se a uva ícone do Chile.

Apesar das semelhanças, existem algumas diferenças notórias que facilitam a identificação das duas videiras. Quando jovem, a Carmenére têm uma tonalidade avermelhada por baixo, enquanto que as folhas da Merlot são brancas. A Merlot também amadurece duas a três semanas mais cedo do que a Carmenére.

Produz um vinho com bastante cor e taninos pronunciados, sendo uma uva de maturação mais tardia. Dá origem a vinhos com aroma vegetal (pimentão verde e folhas secas), de frutas pretas maduras, notas de menta, ervas aromáticas e café. Em boca, normalmente, têm taninos macios, são sedosos e aveludados.

Nota de Degustação: Sauvignon Blanc Quinta da Neve 2014

1) Sauvignon Blanc Quinta da Neve 2014 (Vinícola Quinta da Neve – São Joaquim – SC)

A Vinícola Quinta da Neve foi a pioneira dos vinhos de altitude em São Joaquim. E ao longo dos anos vem se destacando na elaboração do Sauvignon Blanc. Esse rótulo é da safra 2014. Um vinho acima da média, comprovando o potencial da Sauvignon Blanc nas regiões de altitude. Esse vinho apresenta coloração amarelo palha, não muito intensa. Aromas elegantes e intensos, predominando maracujá. Na boca apresenta uma boa acidez, muito frutado. Um excelente Sauvignon Blanc catarinense, agradável e refrescante.

IMG_1244

Abertura oficial da safra da uva no Rio Grande do Sul

O governador do Estado do Rio do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, o secretário estadual de Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo, a prefeita de Encruzilhada do Sul, Laíse Gorziza de Souza, e o presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Dirceu Scottá, convidam para a Abertura Oficial da Safra da Uva 2015/2016. A solenidade será no dia 3 de fevereiro (quarta-feira), às 9h30min, nos vinhedos da Casa Valduga em Encruzilhada do Sul (ERS-471, Km 222, Passo do Silva).

Após os pronunciamentos das autoridades, o grupo se dirigirá aos parreirais, onde os chefes dos Executivos estadual e municipal darão início simbolicamente à colheita da uva no Rio Grande do Sul. Também haverá uma degustação de vinhos elaborados por vinícolas daquela região produtora, denominada Serra do Sudeste.

Além da abertura da vindima, serão apresentados os resultados de comercialização de vinhos, espumantes, sucos de uva e outros produtos derivados da fruta pelas empresas gaúchas no ano de 2015. Entre os números, destaque para os espumantes. De janeiro a dezembro do ano passado, as vinícolas do Estado venderam 18.792.485 litros da bebida. O volume representa um crescimento de aproximadamente 12% em relação a 2014.

FONTE: http://ibravin.org.br/noticias/aviso-de-pauta—abertura-oficial-da-safra-da-uva-no-rio-grande-do-sul.php

Encontro de Vinhos: Calendário 2016

Com participação de mais de 10 mil consumidores e cerca de 1.000 sommeliers, lojistas e restaurantes em seus eventos de 2015, o Encontro de Vinhos se consolida no mercado brasileiro de feiras e anuncia a inclusão de uma nova cidade em seu calendário de 2016. Além de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Campinas, o evento este ano também acontecerá em São José dos Campos, no Vale do Paraíba, interior de São Paulo.

“O Encontro de Vinhos tornou-se referência em eventos no Brasil, trazendo um conceito de entretenimento e experiência para os seus visitantes”, resume o curador Daniel Perches. “Criamos um modelo que agrada visitantes e expositores”, acredita o também curador do projeto, Beto Duarte.

Abrindo a temporada de eventos em março no Rio de Janeiro, o Encontro de Vinhos acontece até novembro, justamente com o evento de São José dos Campos. “A cidade vinha sendo estudada há algum tempo. A proximidade de grandes empresas na região e o grande público apreciador de vinhos contribuíram muito para que entrássemos com toda a força”, explica Perches.

CALENDÁRIO 2016

  • Rio de Janeiro – 03 de março
  • São Paulo – 02 de abril
  • Campinas – 16 de julho e 09 de outubro
  • Belo Horizonte – 06 de agosto
  • São José dos Campos – 11 de novembro

Vinho antes do treino pode melhorar o desempenho na academia, diz estudo

Se você aprecia um bom vinho, quer manter a forma, mas falta tempo e disposição para ir à academia, pesquisadores da Universidade de Alberta têm uma notícia que vai alegrar seu dia. Segundo estudo feito pela instituição canadense, um composto natural encontrado em algumas frutas, nozes e,principalmente, no vinho tinto é capaz de potencializar os efeitos do treinamento físico e melhorar sua performance.

O coordenador da pesquisa, Jason Dyck, diz no estudo que sua equipe descobriu em experimentos de laboratório que altas doses do composto natural resveratrol são capazes de melhorar o desempenho físico, função cardíaca e força muscular.

“Ficamos animados quando vimos que o resveratrol apresentou resultados semelhantes ao que você teria a partir de um treinamento intenso”, afirma Dyck, que trabalha como pesquisador no departamento de Pediatria e Farmacologia da Universidade de Alberta.  “A partir daí, Imediatamente vimos o potencial para uma possível espécie de ‘pílula da performance’ “, completa.

Mas antes que você comemore, saiba que a descoberta de Dicky e sua equipe não é só para os preguiçosos. “Acho que o resveratrol pode ajudar doentes que querem e precisam se exercitar, mas são fisicamente incapazes, já que esse composto poderia emular ou potencializar os benefícios das poucas atividades físicas que podem fazer”, explica o pesquisador.

Vinho (Foto: Getty Images)

FONTE: http://gq.globo.com/Corpo/Saude/noticia/2016/01/vinho-antes-do-treino-pode-melhorar-o-desempenho-na-academia-diz-estudo.html

12 acessórios para servir um vinho

Saca-rolhas
Se você está começando, prefira o saca-rolhas de duas fases, também conhecido como abridor de Sommelier. É o mais simples de usar.É a melhor maneira de se tirar a rolha de um vinho sem ter sustos. Há os mais simples, que exigem força maior na hora de usar, e os de duas fases, que contém dois pontos de apoio, em níveis diferentes e, por isso, facilitam o manuseio e manipulação da rolha. Há também os saca-rolhas elétricos, que eliminam qualquer esforço na hora de abrir o vinho, e os estilo pinça, que são inseridos pelas laterais da rolha e impedem que ela se quebre.

Decanter
Trata-se de uma jarra bojuda, na qual é depositado o vinho da garrafa. Decantar ajuda a arejar os vinhos, volatilizando aromas mais fechados de bebidas muito jovens, por exemplo, e, nos casos de rótulos de safras mais antigas, serve para ajudar a separar os sedimentos do vinho.

Adega climatizada
É o jeito mais seguro de preservar o vinho, uma vez que o deixa protegido de variações de temperatura. São indicadas para aqueles que já tem uma certa regularidade de consumo. Há modelos com as mais variadas capacidades.

Se sua geladeira ou sua despensa já estiverem ficando lotadas com vinhos, está na hora de tomar uma atitude e adquirir uma adega para guardar suas preciosidades na temperatura correta. Você não vai querer a surpresa de abrir um garrafa especial que se estragou devido à má conservação. Evite as adegas pequenas demais, mesmo que seu consumo não seja muito alto. A partir de 20 garrafas já é um número bom. Uma dica: evite adegas com sistema de troca de calor ou com compressores de muita vibração.

Vacuvin
É a melhor maneira de conservar os vinhos depois de abertos caso você não vá consumir a garrafa todo em um único dia. Ele retira todo o ar da garrafa e armazena o vinho que restou com o mínimo de prejuízo, quase sem perda de propriedades, durante alguns dias.

Se você gosta de apreciar um bom vinho durante mais de um dia, este é um acessório que vale a pena.

Tampa para espumante
Usada para conservar os espumantes após abertos, mantendo a pressão e todas as características da bebida.

Corta-gotas e salva-gotas
O corta-gostas é feito exatamente para evitar que o vinho respingue ou escorra depois de servido, mas também é usado para servir a bebida com mais delicadeza. E o salva-gotas serve para evitar que possíveis respingos desçam pelo exterior da garrafa, danificando o rótulo ou manchando a toalha da mesa.

Cooler, mantas térmicas e baldes de gelo
O cooler é usado para resfriar a bebida mais rapidamente e de maneira mais eficiente. Há os digitais, que permitem a obtenção da temperatura exata. A manta térmica envolve a garrafa de vinho, gelando-a mais rapidamente, além de manter a temperatura ideal das bebidas por mais tempo. Mas, se quiser ser mais simples, basta um balde de gelo.

Termômetro
Cada tipo de vinho deve ser servido em uma temperatura determinada e servir uma garrafa na temperatura certa é extremamente importante.. Então, sempre tenha um termômetro à mão para lhe ajudar nessa tarefa.

Malas de transporte
Existem malas e maletas específicas para o transporte de garrafas de vinho, uma vez que as acomodam melhor por serem acolchoadas, evitando que as garrafas quebrem. Há opções em diversos tamanhos. Desde os menores, de uma ou duas garrafas, para você levar a um restaurante ou uma festa, até as de 12 ou 18 que podem ser usadas em viagens caso você queira trazer preciosidades na bagagem e não esteja disposto a correr o risco de quebrá-las.

Revista Brasileira de Viticultura e Enologia: Artigos para 2016 já podem ser enviados

Antes mesmo do início de 2016, a Associação Brasileira de Enologia (ABE) já havia dado início aos trabalhos da 8ª edição da Revista Brasileira de Viticultura e Enologia, publicação que circula desde 2009, contribuindo para a construção do conhecimento dos profissionais que integram a cadeia produtiva da uva e do vinho. O start foi dado pela abertura do prazo de envio dos artigos inéditos para esta edição, nas áreas da Viticultura, Enologia, Vinho e Saúde, Legislação e Mercado.

A iniciativa de antecipar o início das inscrições reflete o interesse da entidade de oportunizar aos pesquisadores maior tempo para adesão. Os trabalhados devem ser formatados de acordo com as normas de publicação disponíveis no site da ABE – www.enologia.org.br. O prazo para as inscrições encerra dia 15 de abril.

 Nas sete edições foram publicados mais de 70 trabalhos originais, trazendo denso conteúdo que segue metodologia científica, priorizando o ineditismo. Atendendo demandas de conhecimento, os temas trazem novas visões em torno de assuntos atuais e relevantes para o setor. Com periodicidade anual e uma tiragem de 2,5 mil exemplares, a revista é lançada durante a Avaliação Nacional de Vinhos, sendo distribuída aos mais de 900 participantes, além dos enólogos associados espalhados por todo o Brasil. A publicação também chega a universidades, escolas e associações de enólogos de outros países, além de institutos de pesquisa e demais instituições de ensino.

 O trabalho segue sob a orientação do editor-chefe Dr. Alberto Miele. A Revista Brasileira de Viticultura e Enologia é a única publicação técnica brasileira que alimenta o setor, atraindo novos pesquisadores e áreas estudadas. O PDF das edições anteriores pode ser acessado no site www.enologia.org.br.

Lidio Carraro entrega a um único comprador lote completo de seu Grande Vindima Tannat 2011

Acaba de chegar às mãos do Clube de Vinhos Sociedade da Mesa o lote de 8 mil garrafas de vinho Lidio Carraro Grande Vindima Tannat 2011 elaborado pela Lidio Carraro Vinícola Boutique. Uma transação inédita no mercado brasileiro envolvendo vinhos de safras especiais.

Com apenas 12 anos de mercado, a Lidio Carraro comemora um feito inédito, não apenas para a empresa, mas também para o setor vitivinícola brasileiro. A vinícola acaba de entregar, para um único comprador, a colheita completa de seu vinho Grande Vindima Tannat 2011. Uma aquisição denominada vinho em flor (en primeur) – feita após a degustação do vinho na vinícola uma vez finalizada a vindima de 2011.

O vinho Grande Vindima Tannat 2011 é considerado um dos grandes clássicos da Lidio Carraro. Elaborado com 100% de uvas da variedade Tannat, cultivadas nas terras da família Carraro em Encruzilhada do Sul, este vinho da linha Grande Vindima destaca-se pelo ‘conjunto da obra’. “Falar de aromas e taninos não descreveria toda a amplitude e caráter deste vinho. Impactante na riqueza da potência aromática e paladar opulento, num misto de força e classe. É um carinho que se prolonga, agradável e que termina dizendo: que pequena esta taça!” ressalta a enóloga da vinícola, Monica Rossetti.

As palavras da enóloga na tentativa de traduzir o Grande Vindima Tannat 2011, certamente, poderão ser comprovadas pelos consumidores que tiverem o privilégio de degustar este vinho espetacular, elaborado somente nas melhores safras. Para a Sociedade da Mesa, ‘um brilhante exemplar da viticultura brasileira’ que poderá ser degustado, com exclusividade, por seus associados.

Premiações

A Lidio Carraro já é reconhecida pelo seu Tannat mundialmente desde 2005, quando iniciou a comercialização de seu Lidio Carraro Grande Vindima. A variedade Tannat vem despontando como uma das uvas emblemáticas do Brasil, especialmente na metade sul do Rio Grande do Sul e vem surpreendendo o Brasil e o Mundo.

Entre as distinções do Grande Vindima Tannat, destacam-se:

– Melhor Tannat do Mundo Revista Alemã Weinwelt

– 91 pontos (17,5) Jancis Robinson

– 94 pontos Vinho do Ano de 2013 Snooth (EUA)

Conheça a Lidio Carraro

Localizada na região do Vale dos Vinhedos, município de Bento Gonçalves na Serra Gaúcha, a Lidio Carraro Vinícola Boutique segue a filosofia purista na elaboração de seus vinhos. O conceito, que prega o mínimo de interferência para a máxima expressão natural da uva e do seu terroir de origem, vem conquistando o paladar de brasileiros e de consumidores em mais de 20 países. Sem utilizar madeira e sem fazer correções enológicas, a Lidio Carraro, destaca-se por oferecer uma linha de vinhos emblemáticos, elaborados com variedades que vão, das tradicionais Merlot e Cabernet Sauvignon, às ainda pouco conhecidas do consumidor brasileiro, Teroldego e Nebbiolo.

Quem quiser conhecer a história e a linha de vinhos Lidio Carraro pode visitar a vinícola boutique situada na Estrada do Vinho, RS 444, Km 21 – Linha 40 da Leopoldina – Vale dos Vinhedos. O horário de atendimento é das 9h às 18h diariamente, inclusive nos finais de semana e feriados. Mais informações podem ser obtidas no site www.lidiocarraro.com  ou www.facebook.com/lidio.carraro

LIDIO-TANNAT-2011 - Menor